Live AproxiME: sistemas essenciais para a gestão do seu e-commerce

Na live da última quinta-feira (19) do programa AproxiME, iniciativa dos Correios que apoia pequenos e médios empreendedores, o tema foi “Por trás do e-commerce: os sistemas essenciais”, com destaque para os desafios da gestão do comércio eletrônico, principalmente os relacionados aos sistemas de manutenção de uma loja virtual.

A apresentação foi feita por Amauri Pferl, empresário e consultor de e-commerce com experiência de mais de 20 anos em negócios online. Segundo o especialista, no início da sua jornada no e-commerce, em 1999, ele cometeu “todos os erros possíveis”. Então uma de suas motivações é ensinar quem está iniciando a não cometer os mesmos erros.

Na apresentação para o AproxiME, o consultor explicou os principais aspectos relativos aos sistemas de gestão de um negócio online, como cadastro de produtos; captação de leads; automatização de informações e recebimento de mensagens instantâneas e segurança.

Quanto ao cadastro de produtos, por exemplo, Amaury esclareceu que é preciso estar ciente da importância do SEO (search engine optimization, que significa otimização para mecanismos de busca) de forma a atender os critérios dos algoritmos de buscadores como o Google, conseguir um bom ranqueamento e ter mais visibilidade.

Em relação à captação de leads, processo de obtenção de clientes em potencial, ele ressaltou a necessidade de divulgar informações sobre o produto e estar presente em redes sociais, como o Facebook, Instagram e TikTok. “Além de fotos, é fundamental fazer vídeos do produto em uso, pois podem aumentar a conversão de vendas em até 40%. Cerca de 60% das pessoas buscam por vídeos de produtos que desejam comprar, geralmente no YouTube”, destacou.

Outra dica importante foi sobre a Black Friday: para conseguir boas vendas nesse período, é necessário planejar-se, focar as vendas em poucos produtos bem escolhidos e negociar com fornecedores para garantir o estoque e ter o produto a um bom preço ao consumidor.

Sobre custos de frete e prazos de entrega, o consultor destacou que podem implicar em até 82% da taxa de desistência das compras online. E reforçou a importância dos serviços dos Correios voltados ao e-commerce, como o Correios Log+, e outras soluções logísticas para apoiar os empreendedores.

Em sua conclusão, Amauri enfatizou a importância do carregamento rápido do site da loja virtual. Atualmente, o esperado é que a página do site carregue em até 2,5 segundos. Se demorar mais do que isso, o lojista pode estar perdendo clientes. “E já no próximo ano, o esperado é que o carregamento ocorra idealmente em apenas meio segundo”, ressaltou.

Sobre as lives – As lives do programa AproxiME dos Correios trazem conteúdos relevantes sobre o comércio eletrônico, com o objetivo de apoiar lojistas no fortalecimento e desenvolvimento de seus negócios, frente à tendência de aceleração do consumo digital. Os encontros virtuais ocorrem às quintas-feiras, a partir das 11h, e estão disponíveis no canal oficial dos Correios no YouTube.

Concurso Internacional de Cartas: jovens relatam desafios e aprendizados na pandemia

Com o objetivo de melhorar a alfabetização de jovens de até 15 anos em todo o mundo, o Concurso Internacional de Redação de Cartas é promovido anualmente pela União Postal Universal (UPU), sediada em Berna, na Suíça e realizado no Brasil pelos Correios. Neste ano, em que a iniciativa celebra a sua 50a Edição, o tema escolhido para a redação foi: “Escreva uma carta a um familiar, contando sobre sua experiência da Covid-19”.

Por meio do mote sugerido, os textos revelam os principais impactos da pandemia na vida de crianças e adolescentes no Brasil. As percepções vão desde a dificuldade com o isolamento e o estudo remoto, até o tédio, intensificado pelo quebra da rotina.

“Fiz o máximo que pude para proteger a mim e aos meus pais. Mas tenho que confessar uma coisa: estou cansada de ficar em casa! Cansei da monotonia, das aulas on-line, de apenas estudar. Preenchi meus dias com música, leitura e aprendi novos idiomas para desbravar o mundo assim que puder”, relatou a estudante Ana Clara Lopes Motas (13), do Rio de Janeiro (RJ), em um trecho da sua carta.

Mesmo diante das dificuldades impostas pela pandemia, o momento também está sendo de aprendizado para muitos jovens: “Em meio a tantos problemas, percebi algumas coisas boas, como ficar mais perto dos meus pais. Agora ajudo nas atividades domésticas muito mais do que antes. Eu aprendi a cozinhar muitas coisas novas, e não estou fazendo isso por obrigação” revelou Fernando Silocchi- 15 anos, Farroupilha/RS.

A convivência maior com os pais também foi comemorada pela estudante Geovana de Jesus Silva (14), de Campo Novo do Parecis (MT). “Uma das coisas boas que aconteceu, foi que meus pais estão passando mais tempo em casa com a gente, fazemos várias brincadeiras em família para passar o tempo e isso nos uniu muito, confesso que sentia falta desse convívio com eles. (…) Sou feliz por isso, e sei que muitas famílias não aguentaram a pressão do convívio uns com os outros, causando desentendimentos e até separações”.

Para Silas Manoel Freitas da Silva, (15), de Carpina (PE), a “pandemia ajudou a perceber que a vida é bela em sua simplicidade, que ela [a vida] é a mais importante de nossas prioridades”, escreveu o adolescente.

Sobre o concurso – Os Correios participam do Concurso Internacional de Redação de Cartas desde 1972. Nesse período, nosso País fez bonito: é o segundo melhor colocado em âmbito internacional dentre 191 países. O Brasil já conquistou três medalhas de ouro (1972 /1988 / 2006), duas medalhas de prata (1978 / 1980), duas medalhas de bronze (1992 / 2015) e recebeu menções honrosas na etapa internacional em 2009, 2012, 2016, 2017 e 2018, superado apenas pela China, que tem cinco medalhas de ouro.

REDE VÍRUS
Como a logística dos Correios tem apoiado o combate à COVID-19

Os Correios são operadores logísticos da Rede Vírus, comitê do MCTI que desenvolve diagnóstico e tratamento no combate à COVID-19. Foto: Divulgação/ Correios

Pelas ruas de São Paulo (SP), uma van dos Correios transita levando uma carga preciosa: amostras do novo coronavírus para serem analisadas por cientistas e pesquisadores de diversas universidades do Brasil. Mais uma vez, em seus 358 anos de existência, comemorados no último dia 25, a estatal é responsável pela logística de uma das iniciativas mais importantes para o País, agora com foco no combate à COVID-19.

Desde o início da pandemia, os Correios atuam na operação da Rede Vírus, comitê do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) que reúne diversas instituições renomadas, como Fiocruz, Butantan e USP, com o objetivo de desenvolver diagnóstico, tratamento, vacinas e produzir conhecimento sobre o vírus.

Todas etapas das entregas dos Correios são fotografadas para maior controle da operação.

Conectando os diferentes pontos dessa rede, os Correios têm tido um papel fundamental para o sucesso logístico da iniciativa: é a estatal quem transporta e distribui as amostras de vírus, medicamentos e testes clínicos entre os laboratórios e universidades, com toda agilidade e segurança necessárias à operação.

Por se tratar de material biológico e perecível, os prazos de entrega nos destinos são muito curtos, o que exige tratamento e controle logístico diferenciado para garantir a integridade das amostras.

Fases

Na primeira fase da Rede Vírus, ainda em março de 2020, iniciaram-se as primeiras coletas de material biológico (vírus inativo) no Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP) e no Instituto Adolfo Lutz, em São Paulo (SP). De lá, a estatal transportava as mostras para cinco universidades: Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), USP/Ribeirão Preto, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e Feevale (Novo Hamburgo/RS).

Equipe dos Correios (de azul) no Hospital Municipal de Barueri (SP). Foto: Divulgação/Correios

A partir do resultado das pesquisas da primeira fase, em meados de abril, os Correios passaram também a fazer a coleta de medicamentos da Eurofarma para a distribuição em hospitais, tanto militares quanto civis, de vários Estados do Brasil. Os remédios foram utilizados para fins de testes em pacientes com COVID-19. Em São Paulo, participaram dessa fase da Rede Vírus o Hospital das Forças Armadas de São Paulo, Hospital Albert Sabin de São Caetano do Sul, Hospital Municipal de Barueri, Hospital das Clinicas de Mogi das Cruzes e Hospital Geral de São Mateus.

Logo em seguida, os Correios passaram a realizar, de forma simultânea, além das entregas dos medicamentos, coletas diárias de testes clínicos realizadas nesses hospitais em pacientes com COVID-19 e encaminhadas, com rigoroso controle, para as análises do CT Vacinas de Belo Horizonte (MG).

Eficiência reconhecida

CDL colorido para facilitar a identificação prioritária nas unidades dos Correios.

Para maior controle da operação, os recipientes dos Correios que armazenam os materiais da Rede Vírus possuem cor diferenciada. Assim, quando a carga é encaminhada aos terminais aéreos dos Correios em Jaguaré, Guarulhos e Rodoanel, por transportes viário ou aéreo, os CDLs (Contêineres Desmontáveis Leves) são fotografados para registro do número da linha, do horário e do local de recebimento. As fotos são enviadas ao grupo da Rede Vírus para que o responsável pela carga já esteja a postos no momento da entrega.

Segundo o coordenador da Rede Vírus em São Paulo (SP), Valmy Farias Cavalcante, a qualidade da operação logística dos Correios tem recebido constantes elogios e reconhecimentos das equipes do MCTI e da Rede Vírus. “Esse trabalho é motivo de muito orgulho para a nossa empresa. Tivemos, inclusive, o reconhecimento do próprio ministro Marcos Pontes, numa das visitas realizadas no Hospital Municipal de Barueri (HMB)”, afirmou.

Toda a operação logística da Rede Vírus é coordenada pelo Departamento de Logística (DELOG) dos Correios, em Brasília, que por sua vez fornece todas as diretrizes para o CLI Concursos – Gerência de Logística (GELOG/SPM), unidade dos Correios que recebeu a missão de fazer toda a coordenação operacional de distribuição e coletas para todo o Brasil.

Há 358 anos, vencer desafios está na essência dos Correios

Hoje, 25 de janeiro, os Correios celebram 358 anos da institucionalização dos serviços postais regulares no País e, também, a criação do cargo de Correio-Mor das Cartas do Mar – o carteiro da época colonial. Para termos ideia da dimensão dessa história, é preciso imaginar o mundo há alguns séculos, quando não havia nenhuma das facilidades de locomoção de hoje. Provavelmente, aquela realidade seja a razão pela qual, em português, as palavras correio, correr e corrida têm a mesma raiz etimológica.

Desde as primeiras civilizações, a humanidade empregou esforços inimagináveis para vencer distâncias e levar mensagens urgentes no menor tempo possível. Por muito tempo, essa eficiência dependeu da aptidão física de animais, mas nunca deixou ser vinculada à capacidade do ser humano. Na Grécia antiga, por exemplo, uma das modalidades dos jogos esportivos era a corrida dos mensageiros. Tanto é que a história de um deles, conhecido como Pheidíppides, inspirou a criação de uma das mais respeitadas provas olímpicas: a maratona.

Já no Brasil, em 1822, é fato registrado e reconhecido o empenho de um outro mensageiro: o correio da corte Paulo Bregaro. Se hoje já nos aborrece uma viagem de cerca de seis horas, tempo médio que se leva de carro do Rio a São Paulo, imagine fazer esse percurso há 200 anos, por estradas de terra e a cavalo. Foi esse o caminho feito por Bregaro quando recebeu a missão de levar as cartas da princesa Leopoldina e de José Bonifácio a Dom Pedro I, o que culminou na Proclamação da Independência.

Leia mais: O carteiro da Independência

A importância da missão de Bregaro pode ser resumida na ordem que Bonifácio teria dado pessoalmente a ele: “Arrebente e estafe quantos cavalos necessários, mas entregue a carta com toda a urgência”. Junto com o Major Antônio Ramos Cordeiro, o mensageiro saiu do Rio de Janeiro por volta das 16h de 2 de setembro. Os dois cavalgaram uma média diária de 90 quilômetros até chegarem a São Paulo, no dia 7. Pela excelência com que cumpriu sua missão, Bregaro recebeu o título de patrono dos Correios, bem como o de primeiro carteiro do Brasil.

Uma empresa que não para

Condutor de malas: arma para se defender de animais.

Essas duas histórias exemplificam o quanto o desafio é algo inerente ao serviço postal. Mas correr contra o tempo e vencer distâncias não são os únicos obstáculos dos Correios. Em pleno século 20, para determinados percursos, uma espingarda estava entre as ferramentas de trabalho que os carteiros levavam para se proteger de ataques de animais, como mostra a foto ao lado, tirada na década de 1960, de um condutor de malas do Piauí (arquivo Museu Correios).

Quantos outros desafios maiores, incluindo crises econômicas, epidemias – e até outras pandemias – os Correios não enfrentaram nesses 358 anos? Há cerca de cem anos, foi a gripe espanhola. A nota abaixo, publicada na Revista Telegraphica do Brasil em 1918, mostra como a epidemia afetou a empresa. Nem por isso, no entanto, os Correios pararam – mesmo em uma época na qual o mundo não dispunha de recursos médicos e científicos como possuímos agora.

Revista Telegraphica, 1918

Carteiro em Jaboatão dos Guararapes, região metropolitana do Recife, Esdras Vieira de Melo testemunhou desafios em graus máximos. Por duas vezes, em 2008 e 2009, quando ainda fazia parte do Exército, ele integrou a missão das Forças de Paz da ONU que esteve no Haiti, considerado o país mais pobre das Américas. Para Esdras, quando o assunto é a importância do papel social há muitas semelhanças entre servir em uma missão de paz e o trabalho dos Correios.

Em março de 2020, quando a Organização Mundial da Saúde (OMS) decretou a pandemia do novo conoravírus e estabelecimentos comerciais foram fechados, os correios em todo o mundo não pararam. Somente três países suspenderam temporariamente seus serviços postais: Honduras, Hungria e Zimbábue. Todos os outros, inclusive os mais duramente atingidos, como Brasil, Itália e Estados Unidos, não pararam de atender ao cidadão. O que rendeu elogios da União Postal Universal (UPU) aos profissionais de correios “determinados a fazer o melhor para manter os serviços em circunstâncias difíceis e jamais vivenciadas em tempos de paz”.

Na linha de frente

No Brasil, o isolamento gerou, inclusive, um aumento das postagens, principalmente de encomendas. Em 2020, nossos carteiros e carteiras entregaram, em média, 15,2 milhões de objetos postais por dia, sendo 13,7 milhões de correspondências e 1,5 milhão de encomendas nacionais e internacionais. Para garantir esse volume de entregas, os carteiros percorreram a pé, de bicicleta, carro e barco um total de 1.302.766 km por dia, o equivalente a 33 voltas ao redor da Terra!

Em Belo Horizonte (MG), a carteira Vânia de Lazáro, destaca que estar na linha de frente é motivo de orgulho. Ela diz que segue à risca as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS), não dispensando a máscara nem o álcool em gel. Para ela, ser carteira nesse momento é uma forma de ajudar a sociedade. “Com a pandemia, passei a refletir mais sobre meu modo de viver e minhas responsabilidades em cuidar mais do outro. Como carteira, estou fazendo isso.”

Vânia da Lazáro: orgulho de ser carteira e ajudar ao próximo. Foto: Divulgação/Correios

Por falar em reflexão, recorremos, novamente, à etimologia: dessa vez, da palavra desafio, que deriva do latim disfidare – junção de “dis” (afastamento) e “fidare”, que vem de “fides” (fé). Uma indicação de que as dificuldades colocam em xeque nossas crenças e capacidades, a ponto de nos afastar da confiança. E, para vencê-las e continuar seguindo em frente, temos que descobrir novos caminhos e maneiras de olhar o mundo. Mas… não é exatamente isso que os Correios fazem todos os dias, desde 25 de janeiro de 1663?

Correios revitaliza e realoca agências pelo País

Ano novo, agência nova! Com mais de 6 mil unidades próprias espalhadas pelo País, os Correios iniciam 2021 com agências revitalizadas e em novos endereços em vários Estados. Nos últimos meses, a empresa investiu na reforma de fachadas e em melhorias de infraestrutura de dezenas de unidades da estatal, especialmente em pequenos municípios.

Buscar a excelência operacional nas entregas e prestar um melhor serviço aos clientes são algumas das prioridades da atual diretoria da empresa. Neste sentido, por meio de contratos de manutenção predial e recursos próprios, o trabalho de revitalização tem sido realizado tanto nos ambientes internos quanto nas fachadas das unidades, garantindo melhores instalações para atendimento e a padronização da identidade visual da empresa.

É o caso da agência central dos Correios em Serra (ES), que ganhou, em setembro de 2020, novo endereço e melhores instalações (foto acima). Em um ambiente mais amplo e moderno, a unidade agora funciona em um imóvel mais seguro e movimentado, no eixo comercial do bairro. A mudança também trouxe melhores condições de trabalho aos empregados da empresa e mais conforto aos clientes.

Ao todo, 12 agências foram revitalizadas, sendo 8 reformadas e 4 realocadas no Espírito Santo. Outro exemplo, é a agência de Mantenópolis, município com cerca de 13 mil habitantes.

Na Bahia, 17 unidades da empresa receberam melhorias, 12 foram reformadas e 5 realocadas, tanto na capital quanto no interior do Estado. É o caso da agência de Santo Estêvão, a cerca de 150 km de Salvador, que foi reformada para atender os 52 mil habitantes do município em seus dois guichês.

Em um dos menores municípios do Maranhão, com 7,9 mil habitantes, a agência da pequena Central do Maranhão, a cerca de 70km da capital São Luís, também foi totalmente revitalizada. A unidade recebeu reparos e serviços de recuperação da fachada, que deram nova vida à unidade.

Em 2021, a empresa prevê a continuidade das ações de revitalização das suas unidades, de forma gradual, ao longo do ano.

Edifício-sede

Cartão-postal da empresa, o edificio-sede dos Correios, em Brasília, também recebeu melhorias. Em 2019, a centenária caixa de coleta instalada na frente do prédio foi totalmente restaurada. Após passar por um trabalho de pintura e revitalização, o objeto-símbolo dos Correios, que estava com sinais de desgaste, foi totalmente restaurado.

O painel 1.481,78 m² que envolve a fachada do edifício, considerado uma obra-de-arte a céu aberto, também foi revitalizado, após passar por uma minuciosa limpeza. Com concepções abstratas feitas de concreto em baixo relevo, a obra foi idealizada pela artista plástica Martha Poppe e pelo escultor espanhol Julio Spinoso. Durante a limpeza, as partes mais sensíveis do painel foram demarcadas para evitar a incidência de água e da escovação.

Retrospectiva 2020: os fatos que marcaram o ano dos Correios

Em um ano totalmente atípico, os Correios tiveram que se reinventar para superar os desafios impostos pela pandemia da Covid-19, em especial continuar mantendo as entregas no prazo com parte do seu efetivo afastado, medida necessária para garantir a saúde de seus empregados.

Em ordem cronológica, o Blog dos Correios selecionou os principais acontecimentos do ano para a empresa. Confira:

Frota renovada

Iniciamos 2020 com mais de 7 mil veículos novos entregues em todo o Brasil. No total, os Correios investiram cerca de R$ 197 milhões na aquisição de 5.328 motocicletas, 2.157 furgões de 600Kg e 73 furgões (com capacidade de 1.500 Kg). A aquisição dos novos veículos foi intensificada nos últimos meses de 2019 para atender ao aumento da demanda gerado pela Black Friday e pelas festas de fim de ano. Além de melhorar as condições de trabalho dos carteiros, o investimento representa ganho de produtividade, qualidade das entregas, redução do custo de manutenção e aumento da disponibilidade da frota.

Pandemia: medidas preventivas

Em março, com a chegada do coronavírus no Brasil, adaptamos as nossas operações para manter clientes e empregados seguros em meio a pandemia.  Entre orientações profiláticas e adaptações em rotinas de atendimento, tratamento, distribuição, coleta e transporte, foram adotadas mais de 100 medidas emergenciais, desde o início da pandemia. Todos os objetos passaram a ser entregues sem a coleta de assinatura do destinatário, por exemplo, para evitar o contato físico e o risco de contaminação. Criamos ainda uma central de informações, no site dos Correios, onde disponibilizamos notícias e os boletins diários relacionadas à pandemia

Apoio logístico a Rede Vírus

Iniciamos, também em março, o apoio logístico à Rede Vírus, comitê do então Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações e Comunicações, responsável pela coleta de material viral (novo coronavírus e influenza). O transporte realizado pelos Correios obedeceu a altos requisitos de segurança e agilidade, para que o material fosse entregue até 20 horas após a coleta, em perfeito estado de conservação e com risco zero de contaminação, tanto de pessoas quanto do ambiente por onde as amostras transitaram.

Leia mais “Retrospectiva 2020: os fatos que marcaram o ano dos Correios”

5 dicas de Luiza Helena Trajano para alavancar o seu negócio

A empresária Luiza Helena Trajano, presidente do Conselho de Administração do Magazine Luiza, participou da última live do ano da série AproxiME, produzida pelos Correios para apoiar pequenos e médios empreendedores neste momento desafiador. O Magazine Luiza é líder no segmento de varejo no País.

O Blog dos Correios selecionou trechos da live com dicas sobre como micro e pequenos empresas podem aperfeiçoar as suas gestões, alavancar as vendas e se destacar no competitivo mercado de e-commerce.

Aposte na multicanalidade
Durante a live, Luiza Helena lembrou que, por muito tempo, a Magazine Luiza foi vista como o “patinho feio” da Bolsa de Valores, pois, segundo ela, os investidores não acreditavam em loja física. “Quando a Amazon e o Alibaba começaram a comprar loja física, o jogo virou. Estávamos a frente desse processo porque já tínhamos feito muito laboratório. Aguentamos firmes a rejeição do mercado”, orgulha-se. 

Um das primeiras empresárias a apostar na multicanalidade, para Trajano o mundo digital não compete com o físico, mas é um aliado. “O cliente hoje compra pela internet e retira na loja física; compra na loja e reclama na internet. Você precisa estar onde, quando e como o seu cliente quiser. Todo lugar onde temos a loja física da Magazine, vendemos mais pela internet”, ressalta. 

A empresária observou ainda que o comércio eletrônico não deve mais ser visto apenas como uma plataforma. “O digital é um modo de fazer, uma cultura. A loja física vai continuar, mas o e-commerce é uma necessidade. Se você está presente apenas na internet, faça bem feito. Mas se você é só uma loja física, precisa entrar no digital”, enfatizou.

Crie experiências memoráveis
Em 1990, quando pouco se falava em atendimento ao consumidor, Luiza Trajano criou o que ela chama de um “SAC mais humanizado”. “Colocava nos tabloides de ofertas com a minha foto e o número do meu telefone particular para atender clientes que não foram bem atendidos”, conta.

De lá para cá, Luiza Helena conta que a empresa ganhou diversos prêmios do Reclame Aqui, mas que ainda não está satisfeita. “Enquanto tiver um cliente reclamando, eu não durmo a noite. Temos uma verba especial para resgatar os insatisfeitos, porque é muito mais barato trazê-los de volta do que perdê-los”, revela. Na visão da empresária, os pequenos empresários têm muito mais condição de atender cada cliente como único. “Vender e entregar no prazo é commodity, é preciso surpreender, criar experiências memoráveis para o seu cliente”, aconselha.

Leia mais “5 dicas de Luiza Helena Trajano para alavancar o seu negócio”

Papai Noel dos Correios: uma história de amor e generosidade além da vida

Todo ano, no final de novembro, o telefone da coordenação de comunicação dos Correios em Sergipe tocava e era ela: pedia que a equipe da campanha Papai Noel dos Correios separasse algumas dezenas de cartinhas com pedidos de material escolar – cerca de 100, metade de meninos e metade de meninas. Parceira da ação há mais de 10 anos, Dona Carminha não falhava. De coração generoso, a professora aposentada assumiu a adoção das cartinhas como um compromisso, cumprido religiosamente. Ela não queria que nenhuma criança deixasse de estudar por falta de material.

Mas neste ano de 2020, Maria do Carmo Lima Machado Mendonça não ligou. A equipe do Papai Noel dos Correios estranhou a ausência, e tentou entrar em contato, sem sucesso. “Na reta final da campanha, soubemos, por sua filha, que ela estava isolada no sítio da família, com a saúde fragilizada e buscando se proteger dos riscos relacionados a essa pandemia”, conta a coordenadora de comunicação, Gabriela Melo. Mas no dia 8 de dezembro ela faleceu, aos 73 anos, vítima de infarto, deixando saudade entre aqueles que a conheciam.

Se dependesse da professora Maria do Carmo, nenhuma criança deixaria de estudar por falta de material escolar. Foto: Arquivo pessoal

Deixou, também, um grande exemplo de compaixão e fraternidade. Seus cinco filhos – que preferem não ter seus nomes revelados, por acreditarem que boas ações devem ser feitas sem alarde ou expectativas de reconhecimento – decidiram continuar adotando as cartinhas com pedidos de material escolar feitos ao Papai Noel dos Correios. Apesar de a campanha estar nos últimos dias, deu tempo de acertar tudo. Graças a mobilização da família, 94 crianças de escolas públicas da capital e no interior de Sergipe vão receber um kit com mochila, lápis de cor, caderno, estojo, lápis, caneta e borracha, entre outros itens.

De acordo com uma das filhas de Maria do Carmo, a família se reuniu logo após o falecimento e todos concordaram em abraçar o seu legado. “Juntos, queremos dar continuidade a esse gesto que ela fazia com tanto gosto”, disse a filha de Dona Carminha ao entrar em contato com a coordenação local do Papai Noel dos Correios. Tanto a notícia da partida de uma das parceiras mais antigas e fiéis da campanha, quanto a iniciativa da família, inspirada na generosidade de sua matriarca, emocionou a equipe dos Correios.

Seguindo o exemplo da mãe, os filhos de Maria do Carmo presentearam dezenas de crianças com kits escolares neste ano. Foto: Arquivo pessoal

Uma das crianças contempladas foi Lana Raquel, de 10 anos, moradora do bairro Santa Maria, em Aracaju. Em sua carta ao Papai Noel dos Correios, ela conta que gosta muito de brincar e estudar. “A luta por alimento é diária, e assim meus pais não têm condições de me dar um presente de Natal”, escreveu a menina, fazendo questão de explicar que não caprichou mais em sua cartinha por não ter lápis de cor.

Legado de educação e amor

Baixinha, de olhos azuis, alegre e muito forte, Maria do Carmo estudou e ensinou com empenho ao longo de toda a sua vida. Foi professora de Geografia do ensino fundamental e também da Universidade Federal de Sergipe (UFS), além de diretora de escola. Daí vinha sua consciência acerca da importância da educação.

“Ela era símbolo de liberdade, autonomia, coragem e, principalmente, alegria e amor. Tudo que sabemos sobre o amor veio dela, um amor que cura, que afaga a alma, que cuida e protege sem cansar. Gostava de ajudar o próximo, de cuidar de plantas, orquídeas, de cozinhar, bordar, ler e de uma boa rede. Mas amava mesmo era de ver a família junta, unida e cheia de amor”, conta uma das filhas de Dona Carminha, cheia de orgulho e saudade da mãe.

Papai Noel dos Correios: conheça os ajudantes do Bom Velhinho por todo Brasil

Papai Noel existe e pode ser empregado dos Correios. Foto: Divulgação/Correios

A campanha Papai Noel dos Correios só existe há mais de 30 anos porque pessoas reais fazem a magia acontecer. Foi dos empregados da empresa a iniciativa de adotar as cartinhas das crianças que escreviam ao Bom Velhinho, inspirando a campanha que tempos depois viraria uma ação institucional. Também é assim, de forma totalmente voluntária, que uma vez por ano empregados dos Correios guardam seus uniformes e crachás para assumirem outra missão especial: transformarem-se no velhinho mais querido pelas crianças!

De norte a sul do País, cada um deles tem seu jeito próprio de dar vida ao Noel. São incontáveis os “Bons Velhinhos” dessa história… Mas hoje vamos apresentar alguns deles, a começar pelo atendente comercial dos Correios, Márcio Pinheiro, do Rio de Janeiro (RJ). Carismático e comunicativo, ele não hesitou em dizer sim ao convite para ser ajudante do Noel este ano. “Quando você alegra uma criança, você dissipa esse sentimento entre os familiares também; não tem dinheiro no mundo que pague isso”, enfatiza.

O atendente Márcio Pinheiro, do Rio de Janeiro (RJ), é um dos empregados que dão vida e carisma ao Papai Noel dos Correios. Foto: Divulgação/Correios

Sempre envolvido com ações socioculturais dentro e fora da empresa, o agente de Correios, Gleyston Wdembergth Cunha, do Espírito Santo, usa todo seu talento para representar bem esse papel. “É muito gratificante saber que, com poucas ações, contribuímos para a construção de uma história linda da nossa empresa na sociedade”, ressalta o empregado que já atuou em cada etapa da campanha, desde o cadastramento das cartinhas até a triagem e entrega dos presentes.

O engenheiro Andre Eduardo dedica-se ao personagem há quatro anos.

Em Bauru, interior de São Paulo, há quatro anos o engenheiro Andre Eduardo Mednis dedica-se ao personagem e faz questão de deixar a barba branca crescer durante o ano todo. Tudo para que, no Natal, a figura do Papai Noel permaneça encantadora no imaginário. “Apesar de me considerar tímido, ficar rodeado de pessoas de todas as idades é gratificante. Ajudar os Correios a sensibilizar corações bondosos a presentear crianças cheias de sonhos é muito bom!”, destaca.

Além do toque pessoal ao darem vida ao Bom Velhinho, cada voluntário coleciona diferentes histórias, mas com muito em comum: a generosidade em doar tempo para fazer outras pessoas felizes. As boas memórias são a grande motivação para continuarem a vestir a fantasia do Noel e realizar sonhos.

A lembrança mais feliz de Marcelo Luiz Noronha, técnico de Correios em Brasília e Papai Noel há 26 anos, é de quando foi presenteado por uma criança. Certa vez, ao entregar a sonhada bicicleta para um pequeno garoto, inesperadamente ouviu dele: “espere um pouco”. O menino entrou em sua casa de chão batido e voltou dizendo: “Papai Noel, este é o seu presente de Natal”. “Era um bilboquê, um simples brinquedo seu, mas que contagiou e emocionou a todos naquele dia”, conta Marcelo. “Este é o sentimento que me faz ser Papai Noel todos os anos”.

Gleyston Cunha, do Espírito Santo, já atuou em várias etapa da campanha. Foto:Divulgação/Correios

Foi durante uma ação do Papai Noel dos Correios em um presídio que Carlos Alberto Soares Correa, técnico de Correios no Amazonas, percebeu que acreditar no Bom Velhinho vai muito além de receber um presente. O personagem também é uma figura que leva momentos de esperança para gente grande. “Muitos cantaram comigo, participaram das minhas brincadeiras. Senti naquele momento que dentro de cada um deles existia uma criança querendo apenas um abraço. Um deles me entregou um pedaço de papel com o nome do seu netinho pedindo um presente. Fiz questão de fazer o presente chegar até o garoto”, recorda-se Carlos.

Carlos Alberto Soares, técnico de Correios no Amazonas: acreditar no Bom Velhinho vai muito além de receber um presente. Foto: Correios/Divulgação

Para José Fábio Porto, carteiro no Rio Grande do Norte e há 15 anos atuando na campanha, uma dos momentos mais emocionantes foi quando teve a oportunidade de ser o Bom Velhinho durante uma festa para crianças com câncer. “Dei uma bola a um garotinho, ele apalpou o meu rosto, me deu um abraço e disse: ‘Papai Noel, obrigado por você existir! Desculpe se não fui bem este ano, é que infelizmente estou dodói e fiquei sem a visão, o senhor poderia trocar o meu presente?’. Rapidamente providenciamos a troca e, com esse pequeno gesto, alegramos o dia daquela criança”, conta.

Seja também um Noel – Com tantas histórias assim, é possível dizer: Papai Noel existe e ele pode ser você! Sim, porque além dos empregados que vestem gorro e barba para fazer a magia acontecer, todos aqueles que trabalham nos Correios atuam, de uma forma ou de outra, em prol do sucesso dessa grande corrente do bem. E, além deles, a empresa conta, todos os anos, com uma participação para lá de essencial: são os inúmeros Noéis espalhados pelo Brasil que, voluntariamente, tiram milhares de sonhos do papel.

Este ano, devido à pandemia, a campanha acontece 100% online e digital. Já são mais de 208 mil cartinhas adotadas até o momento, e o trenó do Bom Velhinho está quase ganhando os céus… Mas ainda é possível ser o Noel de uma criança em alguns Estados! Basta acessar o blog da campanha, clicar em “Seja você Noel” e seguir os passos. Com base na localidade informada, serão disponibilizadas as cartinhas e as sugestões de locais para entrega dos presentes.

Afinal… “Papo-furado é deixar de acreditar. Quando a força da magia só depende do querer. Esquece a barba branca, as renas e o gorro: o Papai Noel existe e eu posso chamar de você!”.

Em cartinhas para o Papai Noel dos Correios, crianças pedem volta às aulas

Este ano, elas estão na internet, mas nem por isso deixaram de ser emocionantes. As cartinhas para o Papai Noel dos Correios muitas vezes são um meio de desabafo para os pequenos. A Eloá Andrade (10), do Oiapoque (AP), revelou que este não está sendo um ano fácil – por conta da pandemia e também do apagão que ocorreu no Estado.

O que também tem chamado a atenção na campanha de 2020 são os vários pedidos de retorno às aulas presencias nas escolas. A Natali Cardoso (10) pediu material escolar pra usar ano que vem e emendou um: “se Deus quiser, quando as aulas voltarem”.

A Helena de Jesus (9), de São Mateus (ES), também confessa que não vê a hora de retornar para o colégio. O Pedrinho (Pedro Jorge da Silva, 8) do Rio de Janeiro (RJ), diz que está com saudades dos amigos e da professora e quer ganhar um kit de ciências.

Pedidos inusitados

Não importa a letra da criança ou o desenho, o Bom Velhinho lê com o coração, por isso, entende tudo: para a menina Ana Laura da Silva (6), de Barbacena (MG), o pedido é uma casa de boneca. Já um robô ou dinossauro é o sonho do pequeno Ícaro Rodrigues Coelho (2), o menino de Itabira (MG).

Sonho, aliás, é uma das palavras que mais se repete nas cartinhas. Alguns deles, porém, dizem respeito a coisas que a maioria de nós sempre teve garantidas e, por isso, felizmente, nunca imaginamos em pedir: roupa, uma caixa de chocolate ou, até mesmo, uma casa com paredes de tijolo e um “chuveiro normal”, como sonha a Josiane Machado dos Reis (8), de Viana (ES).

Outros pedidos já são um pouco inusitados: como uma cauda de sereia, desejo de Isabelly Teófilo dos Santos, (7), de Paraisópolis (MG), ou simplesmente, “que o Natal, em nenhum dia, seja cancelado”, como pede a Maira Severo (8), de Demerval Lobão (PI).

Adote uma cartinha

A campanha mais amada do País está chegando à sua reta final, mas ainda é possível tirar sonhos do papel em muitos Estados.

Para adotar uma cartinha, acesse o blog do Papai Noel dos Correios. Na página, você pode conferir as datas da campanha e ainda consultar os pontos de entrega de presentes.