CONFERÊNCIA AICEP
Adaptação é ordem para logística do e-commerce pós-pandemia

Os números são incontestáveis: a pandemia do novo coronavírus acelerou a tendência de crescimento do comércio eletrônico em todo mundo. Em 2020, o Brasil registrou um aumento de 41% no faturamento das operações de comércio eletrônico e de 30% no volume de pedidos online. O País possui, atualmente, quase 80 milhões de consumidores digitais, segundo dados das consultorias Ebit|Nielsen.

Com objetivo de avaliar as mudanças e desafios logísticos para o e-commerce neste novo cenário, os Correios participaram, nesta terça-feira (30), do primeiro ciclo de conferências de 2021 da Associação Internacional das Comunicações de Expressão Portuguesa (AICEP), em parceria com os CTT – Correios de Portugal. O tema do encontro foi “O grande salto do e-Commerce – Crescer o negócio” (assista aqui).

Representando os Correios, o diretor de Negócios da estatal, Alex do Nascimento, falou sobre como a empresa brasileira tem se reiventado para se adaptar aos novos hábitos de consumo e ao aumento de volume de encomendas. “As compras online internacionais, por exemplo, cresceram no último ano cerca de 52%. Para nós, essa alavancagem do e-commerce foi encarada tanto como uma oportunidade quanto como uma necessidade de oferecer novos serviços, apoiando a sociedade brasileira neste momento tão difícil”, disse.

O diretor de Negócios dos Correios representou o Brasil na conferência da Associação Internacional das Comunicações de Expressão Portuguesa (AICEP).

Como exemplo, além das adequações às novas regras e cuidados sanitários, o diretor citou que a estatal tem intensificado a redução dos preços do frete e dos prazos das entregas de encomendas em milhares de trechos pelo País (leia mais). Além disso, os Correios apostaram na inserção de novas tecnologias e no maior grau de digitalização dos seus serviços, a partir de um olhar centrado na experiência do cliente.

Uma das novas soluções dos Correios, citadas pelo diretor, foram os armários inteligentes, lançados em outubro de 2020 no Rio de Janeiro e no Distrito Federal (leia mais). “Além de reduzir custos logísticos, com os Lockers o cliente tem muito mais comodidade: ele decide onde e quando quer receber o seu objeto. Em breve, o Estado de São Paulo também receberá os armários inteligentes dos Correios”, salientou.

O diretor de Negócios dos Correios também falou sobre a diversificação dos produtos aceitos pela empresa, como itens menores e mais sensíveis. “O momento atual exige dos operadores logísticos entregas mais rápidas e preços reduzidos. Já iniciamos um teste-piloto para entrega dentro de 2 a 4 horas na cidade de São Paulo. Isso demanda uma redistribuição do processo logístico e a criação de novos armazéns”, ressaltou.

Seguindo essa tendência de adaptação , que de acordo com Alex é a palavra de ordem para a rede logística pós-pandemia, os Correios agregam um conjunto de outros serviços que vão além da logística. Um exemplo é o programa Aproxime, iniciativa criada para fortalecer o comércio eletrônico, auxiliando pequenas e médias empresas a alavancarem negócios no digital. “Não fazemos só entregas, somos um prestador de serviços relevantes para crescimento do comércio eletrônico”, frisou o dirigente.

Também participaram da conferência virtual, o presidente executivo dos CTT Correios de Portugal, João Bento; o diretor de E-commerce dos CTT Correios de Portugal Alberto Pimenta; o diretor de Negócios dos Correios do Brasil, Alex do Nascimento; o fundador e CEO da Tupuca, Erickson Mvezi; e o diretor de E-commerce da SonaeMC, Pedro Santos.

Com uso de QR Code, Correios moderniza carta

Código de barras estampado sob envelopes traz mais segurança e agilidade nas entregas de correspondências. Foto: Divulgação/Correios

A carta está diferente! Uma nova tecnologia desenvolvida pelos Correios traz mais segurança e agilidade à comunicação realizada por correspondências, como boletos e faturas. Já disponível para clientes de contrato, a chamada Estampa 2D – um tipo de código QR Code estampado sob os envelopes -, agrega mais controle, rastreabilidade e qualidade operacional às entregas de cartas simples.

Ao reunir informações adicionais, como número de contrato e lote de produção, o novo código de barras também aprimora o processo de gestão e tratamento da carga postal, otimizando, inclusive, o tempo de triagem das cartas. Isso porque, após a postagem nas agências, a maior parte dos envelopes (com características adequadas de peso e tamanho) serão separados de forma automatizada por máquinas de triagem. Para os demais, um novo aplicativo irá agilizar também a conferência manual da carga.

A Estampa 2D ainda permite aos Correios verificar o status de postagem e faturamento de cada carta, em qualquer tempo e etapa do fluxo postal. Com isso, a empresa consegue identificar cartas em situação irregular, como, por exemplo, com selos adulterados ou inconformidades de informação. Outra vantagem do uso da codificação 2D será a integração entre diferentes soluções da estatal, agregando serviços digitais aos físicos, sem custo adicional para os clientes.

Por meio do QR Code, Correios consegue verificar o status de postagem e faturamento de cada carta, em qualquer tempo e etapa do fluxo postal. Foto: Divulgação/Correios

A tecnologia também agiliza o atendimento nas agências. Por meio de uma plataforma de pré-postagem (acesse aqui), os clientes de contrato poderão imprimir a Estampa 2D de cada objeto antecipadamente. Ao se autenticar no sistema com o ID Correios, o usuário poderá gerar o lote de pré-postagem e obter o rótulo de endereçamento padronizado com o código de barras. Após fixá-lo no envelope, basta ir a uma agência dos Correios, apresentar o cartão de postagem e o número do lote da pré-postagem, e concluir o atendimento.

O uso da Estampa 2D para postagens à vista nas agências estará disponível, a todos os clientes, a partir de março deste ano. A empresa também pretende incluir a tecnologia em outros serviços de comunicação física, como Impresso e Mala Direta, a partir do segundo trimestre de 2021.