Com uso de QR Code, Correios moderniza carta

Código de barras estampado sob envelopes traz mais segurança e agilidade nas entregas de correspondências. Foto: Divulgação/Correios

A carta está diferente! Uma nova tecnologia desenvolvida pelos Correios traz mais segurança e agilidade à comunicação realizada por correspondências, como boletos e faturas. Já disponível para clientes de contrato, a chamada Estampa 2D – um código QR Code estampado sob os envelopes -, agrega mais controle, rastreabilidade e qualidade operacional às entregas de cartas simples.

Ao reunir informações adicionais, como número de contrato e lote de produção, o novo código de barras também aprimora o processo de gestão e tratamento da carga postal, otimizando, inclusive, o tempo de triagem das cartas. Isso porque, após a postagem nas agências, a maior parte dos envelopes (com características adequadas de peso e tamanho) serão separados de forma automatizada por máquinas de triagem. Para os demais, um novo aplicativo irá agilizar também a conferência manual da carga.

O QR Code ainda permite aos Correios verificar o status de postagem e faturamento de cada carta, em qualquer tempo e etapa do fluxo postal. Com isso, a empresa consegue identificar cartas em situação irregular, como, por exemplo, com selos adulterados ou inconformidades de informação. Outra vantagem do uso da codificação 2D será a integração entre diferentes soluções da estatal, agregando serviços digitais aos físicos, sem custo adicional para os clientes.

Por meio do QR Code, Correios consegue verificar o status de postagem e faturamento de cada carta, em qualquer tempo e etapa do fluxo postal. Foto: Divulgação/Correios

A tecnologia também agiliza o atendimento nas agências. Por meio de uma plataforma de pré-postagem (acesse aqui), os clientes de contrato poderão imprimir a Estampa 2D de cada objeto antecipadamente. Ao se autenticar no sistema com o ID Correios, o usuário poderá gerar o lote de pré-postagem e obter o rótulo de endereçamento padronizado com o código de barras. Após fixá-lo no envelope, basta ir a uma agência dos Correios, apresentar o cartão de postagem e o número do lote da pré-postagem, e concluir o atendimento.

O uso da Estampa 2D para postagens à vista nas agências estará disponível, a todos os clientes, a partir de março deste ano. A empresa também pretende incluir a tecnologia em outros serviços de comunicação física, como Impresso e Mala Direta, a partir do segundo trimestre de 2021.

Mais segurança na entrada de objetos internacionais no País

As compras em sites do exterior estão cada vez mais populares entre os brasileiros. Quando chegam ao país, todas as encomendas internacionais tratadas pelos Correios seguem um caminho padrão: são direcionadas a um dos Centros de Tratamento Internacionais (CEINTs) da empresa, situados no ambiente aeroportuário de São Paulo, Rio de Janeiro e Curitiba.

Novos esquipamentos de raio X dos Correios: maior precisão para inspecionar objetos

Para garantir a segurança na entrada desses objetos no País, os Correios investiram cerca de R$ 14 milhões na aquisição de 59 novos equipamentos de raio X. Os primeiros aparelhos já foram instalados, no último mês, nos CEINTs do Rio de Janeiro (RJ) e de Valinhos, no interior de São Paulo.

Além de aumentar em até quatro vezes a capacidade de inspeção das encomendas, o novo maquinário permite visualizar os objetos em 2D, o que evitará a entrada de itens perigosos e proibidos, como inflamáveis, drogas e armas. “O próprio equipamento identifica ainda inconsistências entre o que foi declarado pelo remetente e o que realmente consta no pacote”, explica Marco Aurélio Montezuma, gerente da atividade de captação do CEINT/RJ.

Uma vez identificado o que há dentro do pacote, também é possível combater a evasão de divisas. O controle aduaneiro desenvolvido no CEINTs é realizado em parceria com a Receita Federal com o objetivo de combater fraudes tributárias e desvios aduaneiros.

O Centro de Tratamento Internacional dos Correios no Rio de Janeiro (Ceint/RJ) foi um dos primeiros a receber os novos equipamento. (Foto: Divulgação/Correios)

Fluxos

Se não for detectada irregularidade durante as inspeções, a encomenda internacional segue o seu percurso no fluxo postal. No entanto, caso sejam sinalizadas possíveis inconformidades ou ilegalidades, a encomenda é separada para análise criteriosa.

É realizado então um processamento pela Polícia Federal e pelos demais órgãos anuentes: Anvisa, Exército e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Após a liberação do objeto, este é cadastrado no sistema dos Correios.

Passadas essas etapas, o objeto é armazenado e fica aguardando pagamento do Despacho Postal para ser separado e distribuído ao cliente. O prazo para pagamento da taxa é de 35 dias. Caso ele expire, o objeto é submetido novamente ao raio X do CEINT e devolvido ao remetente. Concluída a etapa do pagamento, a encomenda está pronta para seguir seu caminho final, rumo ao endereço de destino.