Papai Noel dos Correios: uma história de amor e generosidade além da vida

Todo ano, no final de novembro, o telefone da coordenação de comunicação dos Correios em Sergipe tocava e era ela: pedia que a equipe da campanha Papai Noel dos Correios separasse algumas dezenas de cartinhas com pedidos de material escolar – cerca de 100, metade de meninos e metade de meninas. Parceira da ação há mais de 10 anos, Dona Carminha não falhava. De coração generoso, a professora aposentada assumiu a adoção das cartinhas como um compromisso, cumprido religiosamente. Ela não queria que nenhuma criança deixasse de estudar por falta de material.

Mas neste ano de 2020, Maria do Carmo Lima Machado Mendonça não ligou. A equipe do Papai Noel dos Correios estranhou a ausência, e tentou entrar em contato, sem sucesso. “Na reta final da campanha, soubemos, por sua filha, que ela estava isolada no sítio da família, com a saúde fragilizada e buscando se proteger dos riscos relacionados a essa pandemia”, conta a coordenadora de comunicação, Gabriela Melo. Mas no dia 8 de dezembro ela faleceu, aos 73 anos, vítima de infarto, deixando saudade entre aqueles que a conheciam.

Se dependesse da professora Maria do Carmo, nenhuma criança deixaria de estudar por falta de material escolar. Foto: Arquivo pessoal

Deixou, também, um grande exemplo de compaixão e fraternidade. Seus cinco filhos – que preferem não ter seus nomes revelados, por acreditarem que boas ações devem ser feitas sem alarde ou expectativas de reconhecimento – decidiram continuar adotando as cartinhas com pedidos de material escolar feitos ao Papai Noel dos Correios. Apesar de a campanha estar nos últimos dias, deu tempo de acertar tudo. Graças a mobilização da família, 94 crianças de escolas públicas da capital e no interior de Sergipe vão receber um kit com mochila, lápis de cor, caderno, estojo, lápis, caneta e borracha, entre outros itens.

De acordo com uma das filhas de Maria do Carmo, a família se reuniu logo após o falecimento e todos concordaram em abraçar o seu legado. “Juntos, queremos dar continuidade a esse gesto que ela fazia com tanto gosto”, disse a filha de Dona Carminha ao entrar em contato com a coordenação local do Papai Noel dos Correios. Tanto a notícia da partida de uma das parceiras mais antigas e fiéis da campanha, quanto a iniciativa da família, inspirada na generosidade de sua matriarca, emocionou a equipe dos Correios.

Seguindo o exemplo da mãe, os filhos de Maria do Carmo presentearam dezenas de crianças com kits escolares neste ano. Foto: Arquivo pessoal

Uma das crianças contempladas foi Lana Raquel, de 10 anos, moradora do bairro Santa Maria, em Aracaju. Em sua carta ao Papai Noel dos Correios, ela conta que gosta muito de brincar e estudar. “A luta por alimento é diária, e assim meus pais não têm condições de me dar um presente de Natal”, escreveu a menina, fazendo questão de explicar que não caprichou mais em sua cartinha por não ter lápis de cor.

Legado de educação e amor

Baixinha, de olhos azuis, alegre e muito forte, Maria do Carmo estudou e ensinou com empenho ao longo de toda a sua vida. Foi professora de Geografia do ensino fundamental e também da Universidade Federal de Sergipe (UFS), além de diretora de escola. Daí vinha sua consciência acerca da importância da educação.

“Ela era símbolo de liberdade, autonomia, coragem e, principalmente, alegria e amor. Tudo que sabemos sobre o amor veio dela, um amor que cura, que afaga a alma, que cuida e protege sem cansar. Gostava de ajudar o próximo, de cuidar de plantas, orquídeas, de cozinhar, bordar, ler e de uma boa rede. Mas amava mesmo era de ver a família junta, unida e cheia de amor”, conta uma das filhas de Dona Carminha, cheia de orgulho e saudade da mãe.

Papai Noel dos Correios: conheça os ajudantes do Bom Velhinho por todo Brasil

Papai Noel existe e pode ser empregado dos Correios. Foto: Divulgação/Correios

A campanha Papai Noel dos Correios só existe há mais de 30 anos porque pessoas reais fazem a magia acontecer. Foi dos empregados da empresa a iniciativa de adotar as cartinhas das crianças que escreviam ao Bom Velhinho, inspirando a campanha que tempos depois viraria uma ação institucional. Também é assim, de forma totalmente voluntária, que uma vez por ano empregados dos Correios guardam seus uniformes e crachás para assumirem outra missão especial: transformarem-se no velhinho mais querido pelas crianças!

De norte a sul do País, cada um deles tem seu jeito próprio de dar vida ao Noel. São incontáveis os “Bons Velhinhos” dessa história… Mas hoje vamos apresentar alguns deles, a começar pelo atendente comercial dos Correios, Márcio Pinheiro, do Rio de Janeiro (RJ). Carismático e comunicativo, ele não hesitou em dizer sim ao convite para ser ajudante do Noel este ano. “Quando você alegra uma criança, você dissipa esse sentimento entre os familiares também; não tem dinheiro no mundo que pague isso”, enfatiza.

O atendente Márcio Pinheiro, do Rio de Janeiro (RJ), é um dos empregados que dão vida e carisma ao Papai Noel dos Correios. Foto: Divulgação/Correios

Sempre envolvido com ações socioculturais dentro e fora da empresa, o agente de Correios, Gleyston Wdembergth Cunha, do Espírito Santo, usa todo seu talento para representar bem esse papel. “É muito gratificante saber que, com poucas ações, contribuímos para a construção de uma história linda da nossa empresa na sociedade”, ressalta o empregado que já atuou em cada etapa da campanha, desde o cadastramento das cartinhas até a triagem e entrega dos presentes.

O engenheiro Andre Eduardo dedica-se ao personagem há quatro anos.

Em Bauru, interior de São Paulo, há quatro anos o engenheiro Andre Eduardo Mednis dedica-se ao personagem e faz questão de deixar a barba branca crescer durante o ano todo. Tudo para que, no Natal, a figura do Papai Noel permaneça encantadora no imaginário. “Apesar de me considerar tímido, ficar rodeado de pessoas de todas as idades é gratificante. Ajudar os Correios a sensibilizar corações bondosos a presentear crianças cheias de sonhos é muito bom!”, destaca.

Além do toque pessoal ao darem vida ao Bom Velhinho, cada voluntário coleciona diferentes histórias, mas com muito em comum: a generosidade em doar tempo para fazer outras pessoas felizes. As boas memórias são a grande motivação para continuarem a vestir a fantasia do Noel e realizar sonhos.

A lembrança mais feliz de Marcelo Luiz Noronha, técnico de Correios em Brasília e Papai Noel há 26 anos, é de quando foi presenteado por uma criança. Certa vez, ao entregar a sonhada bicicleta para um pequeno garoto, inesperadamente ouviu dele: “espere um pouco”. O menino entrou em sua casa de chão batido e voltou dizendo: “Papai Noel, este é o seu presente de Natal”. “Era um bilboquê, um simples brinquedo seu, mas que contagiou e emocionou a todos naquele dia”, conta Marcelo. “Este é o sentimento que me faz ser Papai Noel todos os anos”.

Gleyston Cunha, do Espírito Santo, já atuou em várias etapa da campanha. Foto:Divulgação/Correios

Foi durante uma ação do Papai Noel dos Correios em um presídio que Carlos Alberto Soares Correa, técnico de Correios no Amazonas, percebeu que acreditar no Bom Velhinho vai muito além de receber um presente. O personagem também é uma figura que leva momentos de esperança para gente grande. “Muitos cantaram comigo, participaram das minhas brincadeiras. Senti naquele momento que dentro de cada um deles existia uma criança querendo apenas um abraço. Um deles me entregou um pedaço de papel com o nome do seu netinho pedindo um presente. Fiz questão de fazer o presente chegar até o garoto”, recorda-se Carlos.

Carlos Alberto Soares, técnico de Correios no Amazonas: acreditar no Bom Velhinho vai muito além de receber um presente. Foto: Correios/Divulgação

Para José Fábio Porto, carteiro no Rio Grande do Norte e há 15 anos atuando na campanha, uma dos momentos mais emocionantes foi quando teve a oportunidade de ser o Bom Velhinho durante uma festa para crianças com câncer. “Dei uma bola a um garotinho, ele apalpou o meu rosto, me deu um abraço e disse: ‘Papai Noel, obrigado por você existir! Desculpe se não fui bem este ano, é que infelizmente estou dodói e fiquei sem a visão, o senhor poderia trocar o meu presente?’. Rapidamente providenciamos a troca e, com esse pequeno gesto, alegramos o dia daquela criança”, conta.

Seja também um Noel – Com tantas histórias assim, é possível dizer: Papai Noel existe e ele pode ser você! Sim, porque além dos empregados que vestem gorro e barba para fazer a magia acontecer, todos aqueles que trabalham nos Correios atuam, de uma forma ou de outra, em prol do sucesso dessa grande corrente do bem. E, além deles, a empresa conta, todos os anos, com uma participação para lá de essencial: são os inúmeros Noéis espalhados pelo Brasil que, voluntariamente, tiram milhares de sonhos do papel.

Este ano, devido à pandemia, a campanha acontece 100% online e digital. Já são mais de 208 mil cartinhas adotadas até o momento, e o trenó do Bom Velhinho está quase ganhando os céus… Mas ainda é possível ser o Noel de uma criança em alguns Estados! Basta acessar o blog da campanha, clicar em “Seja você Noel” e seguir os passos. Com base na localidade informada, serão disponibilizadas as cartinhas e as sugestões de locais para entrega dos presentes.

Afinal… “Papo-furado é deixar de acreditar. Quando a força da magia só depende do querer. Esquece a barba branca, as renas e o gorro: o Papai Noel existe e eu posso chamar de você!”.

Em cartinhas para o Papai Noel dos Correios, crianças pedem volta às aulas

Este ano, elas estão na internet, mas nem por isso deixaram de ser emocionantes. As cartinhas para o Papai Noel dos Correios muitas vezes são um meio de desabafo para os pequenos. A Eloá Andrade (10), do Oiapoque (AP), revelou que este não está sendo um ano fácil – por conta da pandemia e também do apagão que ocorreu no Estado.

O que também tem chamado a atenção na campanha de 2020 são os vários pedidos de retorno às aulas presencias nas escolas. A Natali Cardoso (10) pediu material escolar pra usar ano que vem e emendou um: “se Deus quiser, quando as aulas voltarem”.

A Helena de Jesus (9), de São Mateus (ES), também confessa que não vê a hora de retornar para o colégio. O Pedrinho (Pedro Jorge da Silva, 8) do Rio de Janeiro (RJ), diz que está com saudades dos amigos e da professora e quer ganhar um kit de ciências.

Pedidos inusitados

Não importa a letra da criança ou o desenho, o Bom Velhinho lê com o coração, por isso, entende tudo: para a menina Ana Laura da Silva (6), de Barbacena (MG), o pedido é uma casa de boneca. Já um robô ou dinossauro é o sonho do pequeno Ícaro Rodrigues Coelho (2), o menino de Itabira (MG).

Sonho, aliás, é uma das palavras que mais se repete nas cartinhas. Alguns deles, porém, dizem respeito a coisas que a maioria de nós sempre teve garantidas e, por isso, felizmente, nunca imaginamos em pedir: roupa, uma caixa de chocolate ou, até mesmo, uma casa com paredes de tijolo e um “chuveiro normal”, como sonha a Josiane Machado dos Reis (8), de Viana (ES).

Outros pedidos já são um pouco inusitados: como uma cauda de sereia, desejo de Isabelly Teófilo dos Santos, (7), de Paraisópolis (MG), ou simplesmente, “que o Natal, em nenhum dia, seja cancelado”, como pede a Maira Severo (8), de Demerval Lobão (PI).

Adote uma cartinha

A campanha mais amada do País está chegando à sua reta final, mas ainda é possível tirar sonhos do papel em muitos Estados.

Para adotar uma cartinha, acesse o blog do Papai Noel dos Correios. Na página, você pode conferir as datas da campanha e ainda consultar os pontos de entrega de presentes.

Emoção e solidariedade marcam os 30 anos do Papai Noel dos Correios

Entrega de presentes em Brasília. Foto: Raquel Dias/ Correios

Ao longo de dois meses, a campanha o Papai Noel dos Correios demonstrou o quanto essa grande corrente do bem, que une empresa, empregados e sociedade em geral, está cada vez mais forte. Neste ano, mais de 600 mil das cartas foram adotadas. Já são mais 1,8 milhões de cartinhas apadrinhadas em todo o país nas últimas três campanhas.

Nessa edição especial, quando a ação completa 30 anos, foi possível mais uma vez se emocionar tanto com histórias e personagens que marcaram a campanha como também renovar os sentimentos de solidariedade e esperança.

O Papai Noel dos Correios nasceu pela iniciativa de alguns empregados que, durante a rotina de trabalho, recebiam cartinhas escritas por crianças destinadas ao Papai Noel, mas sem endereço. Sensibilizados, alguns deles resolveram adotar as cartinhas e enviar os primeiros presentes. O relato da Dona Nilza, de 69 anos, é uma prova dessa iniciativa social histórica. A moradora do Rio de Janeiro ainda lembra do gesto de um carteiro, que, em 1956, entregou a ela duas bonecas, como havia pedido em uma cartinha que ela escreveu e entregou em uma agência do Correios.

Leia mais “Emoção e solidariedade marcam os 30 anos do Papai Noel dos Correios”

Papai Noel dos Correios: a emoção de tirar sonhos do papel

Sandra Santos

Histórias que tocam o coração são muitas quando o assunto é a Campanha Papai Noel dos Correios. A possibilidade de contribuir para um final feliz, pelo menos quanto aos pedidos de Natal, é o que move há 30 anos pessoas, instituições e empresas a se juntarem à essa corrente de solidariedade. Na campanha deste ano, lançada em 4 de dezembro, mais de 310 mil cartinhas já foram adotadas até 29/11.

E se há belas histórias por parte das crianças que mandam as cartinhas, também há muitos relatos emocionantes dos padrinhos e madrinhas que fazem da campanha um compromisso ano após ano. Aniversariante do dia 22 de novembro, a administradora Nathália Villela Ferreira, de Brasília, fez da festa do seu aniversário um motivo para arrecadar presentes para as crianças que escrevem para o Papai Noel dos Correios.

Com essa iniciativa, ela, que contribui com a campanha há dez anos e começou adotando cerca de 20 cartas, chega a tirar do papel os sonhos de mais de 200 crianças. “O meu presente é ver os pedidos das crianças atendidos. Até brinco com meus amigos dizendo: eu e as crianças agradecemos. No começo, mobilizava só algumas pessoas, mas o círculo foi aumentando. Todos gostam de participar. Quando vai chegando a data, o pessoal já me liga perguntando sobre as cartinhas”, explica.

Nathália faz questão de deixar claro que é com muita alegria que investe boa parte do tempo fazendo a relação dos padrinhos e madrinhas e, também, de cada pedido, para que as cartinhas das crianças sejam de fato atendidas, tal como elas sonham. “A gente faz toda uma organização para trazer todos os presentes juntos, afinal são muitos. Mas tudo é muito gratificante”, garante.  

Leia mais “Papai Noel dos Correios: a emoção de tirar sonhos do papel”