8 de março – Dia Internacional da Mulher

A data rememora conquistas
E lembra também que há outras para impulsionar
Voto, trabalho, independência
Lutas de um tempo, impossíveis de apagar

No dia a dia são incontáveis histórias
Da força feminina
que não se pode questionar

Não é preciso se aprofundar, basta observar
Em todas as posições elas estão a trabalhar
Na rua, a carteira
No balcão, a atendente
Na mesa, a analista
Em todas elas, a disposição para novos lugares desbravar

São motivo de orgulho as vitórias
Que hoje podemos comemorar
Para inspirar novos desafios que não param de chegar
Coragem e determinação para cada obstáculo ultrapassar
Com a certeza que todas podem alcançar o que seu coração planejar

Devemos reconhecer e admirar
Todos os dias
O valor das histórias que toda mulher tem para contar

Papai Noel dos Correios: uma história de amor e generosidade além da vida

Todo ano, no final de novembro, o telefone da coordenação de comunicação dos Correios em Sergipe tocava e era ela: pedia que a equipe da campanha Papai Noel dos Correios separasse algumas dezenas de cartinhas com pedidos de material escolar – cerca de 100, metade de meninos e metade de meninas. Parceira da ação há mais de 10 anos, Dona Carminha não falhava. De coração generoso, a professora aposentada assumiu a adoção das cartinhas como um compromisso, cumprido religiosamente. Ela não queria que nenhuma criança deixasse de estudar por falta de material.

Mas neste ano de 2020, Maria do Carmo Lima Machado Mendonça não ligou. A equipe do Papai Noel dos Correios estranhou a ausência, e tentou entrar em contato, sem sucesso. “Na reta final da campanha, soubemos, por sua filha, que ela estava isolada no sítio da família, com a saúde fragilizada e buscando se proteger dos riscos relacionados a essa pandemia”, conta a coordenadora de comunicação, Gabriela Melo. Mas no dia 8 de dezembro ela faleceu, aos 73 anos, vítima de infarto, deixando saudade entre aqueles que a conheciam.

Se dependesse da professora Maria do Carmo, nenhuma criança deixaria de estudar por falta de material escolar. Foto: Arquivo pessoal

Deixou, também, um grande exemplo de compaixão e fraternidade. Seus cinco filhos – que preferem não ter seus nomes revelados, por acreditarem que boas ações devem ser feitas sem alarde ou expectativas de reconhecimento – decidiram continuar adotando as cartinhas com pedidos de material escolar feitos ao Papai Noel dos Correios. Apesar de a campanha estar nos últimos dias, deu tempo de acertar tudo. Graças a mobilização da família, 94 crianças de escolas públicas da capital e no interior de Sergipe vão receber um kit com mochila, lápis de cor, caderno, estojo, lápis, caneta e borracha, entre outros itens.

De acordo com uma das filhas de Maria do Carmo, a família se reuniu logo após o falecimento e todos concordaram em abraçar o seu legado. “Juntos, queremos dar continuidade a esse gesto que ela fazia com tanto gosto”, disse a filha de Dona Carminha ao entrar em contato com a coordenação local do Papai Noel dos Correios. Tanto a notícia da partida de uma das parceiras mais antigas e fiéis da campanha, quanto a iniciativa da família, inspirada na generosidade de sua matriarca, emocionou a equipe dos Correios.

Seguindo o exemplo da mãe, os filhos de Maria do Carmo presentearam dezenas de crianças com kits escolares neste ano. Foto: Arquivo pessoal

Uma das crianças contempladas foi Lana Raquel, de 10 anos, moradora do bairro Santa Maria, em Aracaju. Em sua carta ao Papai Noel dos Correios, ela conta que gosta muito de brincar e estudar. “A luta por alimento é diária, e assim meus pais não têm condições de me dar um presente de Natal”, escreveu a menina, fazendo questão de explicar que não caprichou mais em sua cartinha por não ter lápis de cor.

Legado de educação e amor

Baixinha, de olhos azuis, alegre e muito forte, Maria do Carmo estudou e ensinou com empenho ao longo de toda a sua vida. Foi professora de Geografia do ensino fundamental e também da Universidade Federal de Sergipe (UFS), além de diretora de escola. Daí vinha sua consciência acerca da importância da educação.

“Ela era símbolo de liberdade, autonomia, coragem e, principalmente, alegria e amor. Tudo que sabemos sobre o amor veio dela, um amor que cura, que afaga a alma, que cuida e protege sem cansar. Gostava de ajudar o próximo, de cuidar de plantas, orquídeas, de cozinhar, bordar, ler e de uma boa rede. Mas amava mesmo era de ver a família junta, unida e cheia de amor”, conta uma das filhas de Dona Carminha, cheia de orgulho e saudade da mãe.

Papai Noel dos Correios: conheça os ajudantes do Bom Velhinho por todo Brasil

Papai Noel existe e pode ser empregado dos Correios. Foto: Divulgação/Correios

A campanha Papai Noel dos Correios só existe há mais de 30 anos porque pessoas reais fazem a magia acontecer. Foi dos empregados da empresa a iniciativa de adotar as cartinhas das crianças que escreviam ao Bom Velhinho, inspirando a campanha que tempos depois viraria uma ação institucional. Também é assim, de forma totalmente voluntária, que uma vez por ano empregados dos Correios guardam seus uniformes e crachás para assumirem outra missão especial: transformarem-se no velhinho mais querido pelas crianças!

De norte a sul do País, cada um deles tem seu jeito próprio de dar vida ao Noel. São incontáveis os “Bons Velhinhos” dessa história… Mas hoje vamos apresentar alguns deles, a começar pelo atendente comercial dos Correios, Márcio Pinheiro, do Rio de Janeiro (RJ). Carismático e comunicativo, ele não hesitou em dizer sim ao convite para ser ajudante do Noel este ano. “Quando você alegra uma criança, você dissipa esse sentimento entre os familiares também; não tem dinheiro no mundo que pague isso”, enfatiza.

O atendente Márcio Pinheiro, do Rio de Janeiro (RJ), é um dos empregados que dão vida e carisma ao Papai Noel dos Correios. Foto: Divulgação/Correios

Sempre envolvido com ações socioculturais dentro e fora da empresa, o agente de Correios, Gleyston Wdembergth Cunha, do Espírito Santo, usa todo seu talento para representar bem esse papel. “É muito gratificante saber que, com poucas ações, contribuímos para a construção de uma história linda da nossa empresa na sociedade”, ressalta o empregado que já atuou em cada etapa da campanha, desde o cadastramento das cartinhas até a triagem e entrega dos presentes.

O engenheiro Andre Eduardo dedica-se ao personagem há quatro anos.

Em Bauru, interior de São Paulo, há quatro anos o engenheiro Andre Eduardo Mednis dedica-se ao personagem e faz questão de deixar a barba branca crescer durante o ano todo. Tudo para que, no Natal, a figura do Papai Noel permaneça encantadora no imaginário. “Apesar de me considerar tímido, ficar rodeado de pessoas de todas as idades é gratificante. Ajudar os Correios a sensibilizar corações bondosos a presentear crianças cheias de sonhos é muito bom!”, destaca.

Além do toque pessoal ao darem vida ao Bom Velhinho, cada voluntário coleciona diferentes histórias, mas com muito em comum: a generosidade em doar tempo para fazer outras pessoas felizes. As boas memórias são a grande motivação para continuarem a vestir a fantasia do Noel e realizar sonhos.

A lembrança mais feliz de Marcelo Luiz Noronha, técnico de Correios em Brasília e Papai Noel há 26 anos, é de quando foi presenteado por uma criança. Certa vez, ao entregar a sonhada bicicleta para um pequeno garoto, inesperadamente ouviu dele: “espere um pouco”. O menino entrou em sua casa de chão batido e voltou dizendo: “Papai Noel, este é o seu presente de Natal”. “Era um bilboquê, um simples brinquedo seu, mas que contagiou e emocionou a todos naquele dia”, conta Marcelo. “Este é o sentimento que me faz ser Papai Noel todos os anos”.

Gleyston Cunha, do Espírito Santo, já atuou em várias etapa da campanha. Foto:Divulgação/Correios

Foi durante uma ação do Papai Noel dos Correios em um presídio que Carlos Alberto Soares Correa, técnico de Correios no Amazonas, percebeu que acreditar no Bom Velhinho vai muito além de receber um presente. O personagem também é uma figura que leva momentos de esperança para gente grande. “Muitos cantaram comigo, participaram das minhas brincadeiras. Senti naquele momento que dentro de cada um deles existia uma criança querendo apenas um abraço. Um deles me entregou um pedaço de papel com o nome do seu netinho pedindo um presente. Fiz questão de fazer o presente chegar até o garoto”, recorda-se Carlos.

Carlos Alberto Soares, técnico de Correios no Amazonas: acreditar no Bom Velhinho vai muito além de receber um presente. Foto: Correios/Divulgação

Para José Fábio Porto, carteiro no Rio Grande do Norte e há 15 anos atuando na campanha, uma dos momentos mais emocionantes foi quando teve a oportunidade de ser o Bom Velhinho durante uma festa para crianças com câncer. “Dei uma bola a um garotinho, ele apalpou o meu rosto, me deu um abraço e disse: ‘Papai Noel, obrigado por você existir! Desculpe se não fui bem este ano, é que infelizmente estou dodói e fiquei sem a visão, o senhor poderia trocar o meu presente?’. Rapidamente providenciamos a troca e, com esse pequeno gesto, alegramos o dia daquela criança”, conta.

Seja também um Noel – Com tantas histórias assim, é possível dizer: Papai Noel existe e ele pode ser você! Sim, porque além dos empregados que vestem gorro e barba para fazer a magia acontecer, todos aqueles que trabalham nos Correios atuam, de uma forma ou de outra, em prol do sucesso dessa grande corrente do bem. E, além deles, a empresa conta, todos os anos, com uma participação para lá de essencial: são os inúmeros Noéis espalhados pelo Brasil que, voluntariamente, tiram milhares de sonhos do papel.

Este ano, devido à pandemia, a campanha acontece 100% online e digital. Já são mais de 208 mil cartinhas adotadas até o momento, e o trenó do Bom Velhinho está quase ganhando os céus… Mas ainda é possível ser o Noel de uma criança em alguns Estados! Basta acessar o blog da campanha, clicar em “Seja você Noel” e seguir os passos. Com base na localidade informada, serão disponibilizadas as cartinhas e as sugestões de locais para entrega dos presentes.

Afinal… “Papo-furado é deixar de acreditar. Quando a força da magia só depende do querer. Esquece a barba branca, as renas e o gorro: o Papai Noel existe e eu posso chamar de você!”.

Correios e Hospital de Amor: parceria pela vida

Há 17 anos, os Correios exercem o seu papel de integrador nacional em prol de uma nobre causa: ampliar a captação de recursos para o Hospital de Amor (HA), antigo Hospital de Câncer de Barretos, referência nacional em oncologia. Por meio das agências da estatal em todo o país, já foram arrecadados mais de R$ 20 milhões, em cerca de duas milhões de doações únicas.

Atualmente, por meio da promoção “Corrente de amor”, a cada doação a partir de R$ 10, o cliente recebe um número da sorte por SMS, com as instruções para baixar o aplicativo Apcap do Bem e concorrer a prêmios, entre eles o novo Corolla. A ação, que teve início em 19/6, foi criada para facilitar e aumentar a capilaridade das doações ao HA, já que a pandemia do novo coronavírus inviabilizou a realização de eventos beneficentes e leilões.

As arrecadações são vitais para a manutenção dos tratamentos oncológicos do hospital, que não podem ser interrompidos. “Convidamos a todos a participarem desse novo projeto, para que o Hospital de Amor sobreviva e tenha forças. Que vocês possam enxergar esse projeto como um remédio para uma pessoa com câncer. Por isso, o Hospital de Amor agradece aos Correios, em nome de cada paciente”, destaca o presidente do HA, Henrique Prata.

O Hospital de Amor realiza mais de 6 mil atendimentos por dia, 100% gratuitos, acolhendo pacientes de todo o Brasil. Com 58 anos de história, o hospital possui diversas unidades fixas de tratamento e prevenção espalhadas pelo país, em cidades como Barretos (SP), Jales (SP) e Porto Velho (RO). Em 2019, a entidade ofereceu mais de 1 milhão de atendimentos a 225 mil pacientes vindos de 2,2 mil municípios de todos os estados brasileiros.

Prêmios
A primeira vencedora da promoção “Corrente de amor” foi a Danila dos Santos, que realizou sua doação na agência dos Correios em Jaú, interior de São Paulo, em 13 de agosto de 2020. Ela ganhou 1 Corolla 0Km. No dia 13 de outubro, serão sorteados dois veículos Ônix 0KM, de uma só vez.

Quer ser o próximo ganhador? Vá até uma agência dos Correios, faça sua doação e participe!

ENTREGAS ESPECIAIS
Por trás de cada encomenda, uma história

Os Correios estão presentes, diariamente, na vida de milhões de pessoas. Por trás de cada entrega, sejam correspondências ou encomendas, existem sonhos, expectativas e necessidades singulares. Neste Dia do Cliente, 15 de setembro, reafirmamos que fazer parte da sua história e aproximar o que é essencial para você é o que nos move, todos os dias.

Para uma família de Santana dos Matos, no interior do Rio Grande do Norte, a chegada dos Correios, no último dia 2/9, representou o fim da angústia vivida pelo pequeno José Barbosa, de apenas dois anos. A criança, que se alimenta exclusivamente por sonda gástrica, precisou com urgência trocar o aparelho. Com risco de vazamento, a sonda desgastada poderia gerar complicações de saúde, em plena pandemia de Covid-19.

Para realizar a entrega do objeto, comprado pela internet, empregados dos Correios viajaram mais de 100km – de Currais Novos até Santana dos Matos. “Como se trata de uma questão de saúde, articulamos essa operação especial para que o objeto chegasse com a rapidez necessária ao pequeno José”, relata Millene Rocha, gerente dos Correios na cidade.

Com a nova sonda do filho em mãos, os pais de José reconheceram o esforço empreendido. “Somos muito gratos aos empregados dos Correios, que mesmo nesse momento se empenharam para entregar a nossa encomenda. Agora, graças a Deus José está bem”, relata Barbosa.

Para o superintendente dos Correios no Rio Grande do Norte, Rodrigo Medeiros, o que motiva o trabalho é saber que, por trás de cada objeto, existem pessoas. “É por isso que, mesmo diante dos desafios, o papel dos Correios é realizar todas as entregas da melhor forma possível”, ressalta.

Confiança que aproxima

Neste mês, outra entrega especial no Rio Grande do Norte aproximou duas das instituições de maior confiança dos brasileiros. Militares do Corpo de Bombeiros (CBMRN) encomendaram, via Correios, equipamentos de proteção individual para utilizarem em operações com enxames de abelhas, que aumentam nessa época do ano.

“O período de agosto a dezembro é conhecido pela migração das abelhas, em todo o Estado. Por isso, precisávamos, com urgência, dessas vestimentas utilizadas por apicultores, para a garantir a segurança dos bombeiros durante as operações”, explica o comandante do Serviço Operacional do CBMRN, major Christiano Couceiro.

Com a rápida chegada dos equipamentos, o militar enalteceu o trabalho da estatal e a parceria histórica entre as duas instituições. “Nós queremos agradecer aos Correios pela eficiência dessas entregas, mesmo diante desse momento delicado, e por todas ações em conjunto que costumamos fazer”, destacou o major.

Confira abaixo e em http://correios.com.br/agradecimentos mais mensagens de reconhecimento enviadas por clientes de todo o Brasil aos Correios e seus profissionais.

Novas entregas de solidariedade

Neste momento de enfrentamento à COVID-19, a responsabilidade social é ainda mais essencial. Por essa razão, desde o início da pandemia no Brasil, mobilizamos nossa infraestrutura logística em uma grande rede de cooperação, para ajudar a salvar vidas e proteger, principalmente, os mais vulneráveis.

Nossas ações abrangem desde o transporte de material viral até a entrega de medicamentos em áreas remotas, envolvendo empregados, comunidade científica, entidades públicas e privadas em diferentes frentes. Em recente parceria com o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH), também doamos camisas de carteiros e malotes postais inservíveis aos Correios, que estão se transformados em máscaras faciais, toucas, mochilas e sacos de dormir para uso de pessoas em situação de rua.

Por meio do Programa Pátria Voluntária, do Governo Federal, e do projeto Ecopostal, realizado pela estatal, os materiais estão sendo entregues, desde maio, a entidades sem fins lucrativos. Só em Brasília, mais de 5 toneladas de tecidos, entre camisas, bolsas e malotes, já foram doados.

Leia mais “Novas entregas de solidariedade”

SOLIDARIEDADE EXPRESSA
Correios leva ajuda humanitária em casos de calamidade ou emergência

Correios realiza transporte gratuito de donativos em casos de estado de emergência ou de calamidade. (Foto: Divulgação/Correios)

Sandra Santos

Desde janeiro, fortes chuvas castigam Minas Gerais. Temporais caíram sobre várias regiões por horas e transformaram o cenário de muitas cidades. Ao virar o mês, 196 municípios mineiros estavam em situação de emergência e outros cinco em estado de calamidade pública. Em Belo Horizonte e região metropolitana, por exemplo, foi registrado o maior volume de chuvas para o mês de janeiro dos últimos 110 anos, desde que começou a medição.

Para que a ajuda humanitária chegue rápido aos milhares de desabrigados e desalojados espalhados por Minas, a atuação dos Correios é essencial. “Nenhuma outra transportadora, mesmo que o estado tivesse condições de pagar, teria prestado um serviço como este que os Correios prestam. Sem o apoio da empresa, essa distribuição de donativos ficaria muito prejudicada. São locais de acesso difícil. Os Correios acabaram fazendo com que os donativos, alimentos remédios, coisas urgentes, chegassem até às mãos das pessoas que precisam de forma rápida”, reconhece o governador de Minas Gerais, Romeu Zema. 

A ação institucional “Solidariedade Expressa” é uma iniciativa realizada pela empresa sempre que ocorrem situações que envolvem estado de emergência ou de calamidade. A qualquer momento, seja dia, noite, feriado ou fim de semana, os Correios estão a postos para fazer o transporte gratuito de donativos.

Leia maisSOLIDARIEDADE EXPRESSA
Correios leva ajuda humanitária em casos de calamidade ou emergência”

Emoção e solidariedade marcam os 30 anos do Papai Noel dos Correios

Entrega de presentes em Brasília. Foto: Raquel Dias/ Correios

Ao longo de dois meses, a campanha o Papai Noel dos Correios demonstrou o quanto essa grande corrente do bem, que une empresa, empregados e sociedade em geral, está cada vez mais forte. Neste ano, mais de 600 mil das cartas foram adotadas. Já são mais 1,8 milhões de cartinhas apadrinhadas em todo o país nas últimas três campanhas.

Nessa edição especial, quando a ação completa 30 anos, foi possível mais uma vez se emocionar tanto com histórias e personagens que marcaram a campanha como também renovar os sentimentos de solidariedade e esperança.

O Papai Noel dos Correios nasceu pela iniciativa de alguns empregados que, durante a rotina de trabalho, recebiam cartinhas escritas por crianças destinadas ao Papai Noel, mas sem endereço. Sensibilizados, alguns deles resolveram adotar as cartinhas e enviar os primeiros presentes. O relato da Dona Nilza, de 69 anos, é uma prova dessa iniciativa social histórica. A moradora do Rio de Janeiro ainda lembra do gesto de um carteiro, que, em 1956, entregou a ela duas bonecas, como havia pedido em uma cartinha que ela escreveu e entregou em uma agência do Correios.

Leia mais “Emoção e solidariedade marcam os 30 anos do Papai Noel dos Correios”

Os Correios nos menores municípios do país

Na pacata Serra da Saudade (MG), governo se faz presente por meio dos Correios

Kárita Sena

Em um país conhecido por sua diversidade de culturas, economias e povos, muitos brasis constituem o gigante Brasil. O território nacional abrange desde grandes e movimentadas metrópoles a pequenas cidades e vilas de zonas urbanas e rurais. São mais de 210 milhões de habitantes e só uma instituição consegue chegar a todos eles: os Correios. Em 60% dos municípios brasileiros, a empresa é a única representante da União.

É o caso da pacata Serra da Saudade, município com a menor população do Brasil. Os seus 781 moradores são conhecidos pelo nome na agência postal da cidade. A demanda pelos serviços de Correios vão desde consulta na Serasa, à emissão e regularização de CPF, passando pelo envio de encomendas, logística reversa, e entrega de cartas.

Ao lado da agência dos Correios, a pracinha e a igreja matriz formam o cenário principal do pequeno município. Há mais de dez anos em Serra da Saudade, o atendente dos Correios Lucas Faria recebe regularmente convites para jantar, jogar baralho e conversar, fruto de uma longa convivência com os moradores. “Já sou de casa”, conta ele, que também faz a distribuição postal na cidade.

Leia mais “Os Correios nos menores municípios do país”

Distribuição alternada garante qualidade das entregas de correspondências

Kátia Salina

Um dos maiores desafios dos Correios hoje é garantir a universalização postal, entregando cada vez mais longe e para mais pessoas. De acordo com portaria do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), os Correios devem assegurar a “existência e a disponibilidade de oferta dos serviços postais básicos em todo o território nacional, de forma permanente, com qualidade e a preços acessíveis”.

Com o diminuição das entregas de objetos postais simples (cartas e impressos sem registro, por exemplo) e aumento das encomendas, a empresa precisou rever seus processos e implantou a Distribuição Domiciliária Alternada (DDA) para correspondências. 

A nova modalidade traz vantagens para os Correios sem prejudicar o serviço que é oferecido à população. Respeitando-se os prazos de entrega, a distribuição de objetos simples é feita em dias alternados, ou seja, as entregas ocorrem em cada localidade dia sim, dia não. Com isso, a produtividade do carteiro aumenta, sem comprometer sua jornada de trabalho e os limites máximos de volume de carga definidos por acordo coletivo de trabalho.

Leia mais “Distribuição alternada garante qualidade das entregas de correspondências”