Distribuição alternada garante qualidade das entregas de correspondências

Kátia Salina

Um dos maiores desafios dos Correios hoje é garantir a universalização postal, entregando cada vez mais longe e para mais pessoas. De acordo com portaria do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), os Correios devem assegurar a “existência e a disponibilidade de oferta dos serviços postais básicos em todo o território nacional, de forma permanente, com qualidade e a preços acessíveis”.

Com o diminuição das entregas de objetos postais simples (cartas e impressos sem registro, por exemplo) e aumento das encomendas, a empresa precisou rever seus processos e implantou a Distribuição Domiciliária Alternada (DDA) para correspondências. 

A nova modalidade traz vantagens para os Correios sem prejudicar o serviço que é oferecido à população. Respeitando-se os prazos de entrega, a distribuição de objetos simples é feita em dias alternados, ou seja, as entregas ocorrem em cada localidade dia sim, dia não. Com isso, a produtividade do carteiro aumenta, sem comprometer sua jornada de trabalho e os limites máximos de volume de carga definidos por acordo coletivo de trabalho.

Além disso, fica mais fácil para os Correios expandirem as entregas em residências de bairros novos e mais distantes dos centros das cidades, uma vez que é possível equilibrar a quantidade de objetos postais ao número de carteiros necessários para realizar todas entregas.

Vantagens comprovadas

Até o momento, já foi possível comprovar uma redução de 12% na média de tempo de entrega dos carteiros, redução de 27% do trajeto percorrido por eles e melhora significativa nos resultados operacionais, que se traduzem na melhoria dos serviços prestados pelos Correios a toda a sociedade.

A DDA começou a ser implantada em 2014 como projeto piloto. Atualmente, 100% dos centros de distribuição domiciliária já trabalham com o novo modelo de entrega em todo o país, cumprindo, inclusive, a meta estabelecida pela portaria nº 1.203/2018 do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações.

Minas Gerais foi o primeiro estado a comprovar as vantagens da distribuição alternada. Inicialmente, quatro unidades mineiras testaram o novo modelo. Hoje, cerca de 1500 unidades de distribuição já implantaram o projeto.

“O modelo de distribuição alternada equilibra a carga de trabalho em cada unidade operacional, de acordo com os recursos disponíveis. A produtividade de cada carteiro aumenta, enquanto realizam uma percorrida menos extensa em comparação à entrega diária. Já os clientes se beneficiam com a maior regularidade na entrega dos objetos”, argumenta o analista do Departamento de Coleta e Distribuição dos Correios, Guilherme de Souza Carvalho.

Acúmulo de carga?

Um dos pontos mais polêmicos do novo modelo é que ele poderia fazer com que a carga se acumulasse nas unidades de distribuição. O chefe do departamento de distribuição e coleta dos Correios, Frank Schneider, desmistifica essa ideia e explica que a reorganização do processo permitirá maior controle e gerenciamento do volume de correspondências.

 “O que nosso cliente quer não é o carteiro passando todos os dias em sua residência; ele quer que suas cartas sejam entregues no prazo estabelecido”. Frank Schneider, chefe do departamento de distribuição e coleta dos Correios.

Para que esse prazo seja respeitado, apenas objetos não expressos poderão ter a entrega alternada. Dessa forma, SEDEX, Telegrama, EMS, Malote e Remessa Expressa continuam sendo entregues diariamente.